, ,

[Resenha] Como falar com um viúvo - Jonathan Tropper

19:00

Autor: Jonathan Tropper
Editora: Sextante
Categoria: Romance, comédia, drama
Páginas: 271    

Sinopse

"Doug Parker não foi um aluno brilhante, não conseguiu entrar para nenhuma universidade de prestígio e era demitido dos empregos de redator com relativa frequência. Enfim, não levava nada muito a sério até conhecer Hailey, bonita, inteligente e cerca de 10 anos mais velha que ele. Quando os dois se casam, Doug deixa para trás a descompromissada vida de solteiro e se dedica a esse amor, acreditando finalmente ter encontrado seu rumo. Mas, dois anos depois, Hailey morre em um acidente de avião e tudo perde o sentido. Tentando lidar com o luto, Doug passa a escrever uma coluna chamada "Como falar com um viúvo", em que desabafa sua dor, relata a dificuldade de expressar seus sentimentos e se lembra da esposa de maneira sincera e cativante. A coluna se torna um grande sucesso - algo com que ele sempre sonhou - só que, infelizmente, no momento errado. Em meio a seu drama, Doug se vê às voltas com o enteado rebelde e a irmã gêmea que se mudou para sua casa decidida a fazê-lo voltar a se relacionar com outras mulheres. E então nada mais é como antes: sua vida passa a se desenrolar em uma divertida sucessão de encontros desventurados e insólitas confusões familiares. Entre tropeços, atropelos e as mais loucas situações, Doug começa a tocar sua vida, ainda que não saiba muito bem para onde. Afinal, muitas vezes o melhor a fazer é seguir em frente. "


Doug é um viúvo, muito jovem, que se isolou de tudo e todos após a morte sua esposa Hailey e que de certa forma passa a sentir e apreciar a própria dor como uma maneira de honrar sua falecida esposa e mantê-la viva no seu dia-a-dia. Ele tem uma coluna coluna no jornal onde fala sobre sua esposa e como era sua vida antes e depois dela, tem também uma família louca, um enteado problemático e coelhos que vivem invadindo seu quintal. Além disso, Doug ainda tem que conviver com a constante piedade alheia, que faz com que ele feche cada vez mais em sua "casca". 

Comprei esse livro há alguns meses atrás e mesmo gostando de cara da sinopse, não imaginava que o livro fosse me encantar tanto. Apesar de poder parecer para alguns- através da sinopse- um livro extremamente dramático e meloso, "Como falar com um viúvo" é exatamente o oposto. O livro consegue transmitir toda a dor que Doug sente, mas sem dramas extremos, apenas o real. Doug tem dias muito ruins, tem dias bons, dias nem bons e ruins e muita comicidade em sua vida, mesmo que ele não tenha a intenção de levar as coisas pra esse lado. 

Gostei muito da forma como tudo é narrado e colocado nu e cru , sem frescuras. Doug é um cara normal, não é nenhum príncipe, mas se apaixona por uma mulher um pouco mais velha que o faz enxergar a vida de uma forma diferente. Não como em um conto de fadas, ele não muda da água pro vinho, mas ele se esforça muito, e isso é o mais bacana de tudo.  


Depois de muito tempo de luto, quando a irmã gêmea - e superlegal- de Doug Claire e o seu enteado Russ, passam a morar com ele, Doug decide- depois de muita insistência da irmã - que vai passar a sair com outras mulheres e tentar a voltar a viver pelo menos um pouco como antes. 
São tantos encontros desastrosos e situações engraçadas que seguem a partir daí que é impossível largar o leitura. É visível a evolução de Doug durante todo o livro, principalmente com a família, e é estranha a forma como ele muda tanto e ainda continua o mesmo Doug. 

É a vida, só isso. Não existem finais felizes, apenas dias felizes, momentos felizes. O único fim genuíno é a morte e, acredite, ninguém morre feliz. E o preço de não morrer é ver as coisas mudarem o tempo todo, e a única certeza que temos é a de que não há nada que se possa fazer a respeito.

Já não atiro mais coisas nos coelhos. Depois de enterrar um deles no quintal, o mínimo que posso fazer é garantir aos demais o direito irrestrito à pastagem, assim a morte do companheiro não terá sido em vão.

O livro mostra que ninguém é tão bonzinho ou tão ruim, as pessoas tem sujeitos a erros dos mais variados tipos e que mesmo assim podem recomeçar, tudo isso sem parecer um livro chato de autoajuda.

Dei risada do início até o final do livro, meus olhos se encheram d'agua durante várias partes, me surpeendi com muitas coisas, enfim é um livro leve e maravilhoso. Talvez eu seja meio suspeita pra falar porque simplesmente adoro romances desse tipo, não muito melosos, misturados com comédia e cheio de personagens parecidas com pessoas reais e não aquela coisa esterotipada de gente perfeita. 5 estrelinhas pra essa surpresa boa que foi esse livro.

Detalhe importante: O livro é repleto de palavrões e tem algumas cenas de sexo descritas com detalhes, ou seja, não me responsabilizo com o que você vai encontrar durante a leitura. (hahaha)

Somos jovens, esbeltos, tristes e bonitos.

Você poderá gostar também de:

10 comentários

  1. Oi, Jéssica!
    Menina do céu, onde você achou esse livro? Eu queeero! Hahaha. Também adoro romances sem drama, depois de uma overdose de YA, meu sobrenome é SemDramaPorFavor!
    Simplesmente amo livros que me fazem rir e me fazem chorar, aquele tipo de livro que parece real, que a gente se identifica, sabe?
    Comassim "cenas descritas e palavrões"? o.O Hahaha. Agora fiquei curiosa!
    Enfim, já entrou pra minha lista de leitura, com certeza! =D
    Beijos,

    Mari Pacheco
    Livros & Nerds

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei no site do submarino há uns meses atrás, numa super promoção (paguei só 3 reais). kkk Pois é, é ótimo. Leia sim, você vai curtir :*

      Excluir
    2. Cenas descritas tipo, ele descreve umas senas de sexo que cara, voce se sente na cena kkk e palavroes mesm, porra e tls kk e maravilhoso

      Excluir
  2. Cara, eu amo esse livro! Comprei ele na Bienal ano passado, por uns $5 assim. Foi o melhor $5 que já dei na vida! USAHUHSAUSHAUSA :3
    Outro que fiz a mesma coisa foi o "Profecia", que to vendo nas livrarias agora na mesma prateleira que este. São histórias totalmente diferentes, mas igualmente bons e baratos. ;)
    PS: Amei o nome deste blog, parabéns!
    Beijo, http://josyarruda.blogspot.com.br/ ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu paguei 3 nele kk. Não esperava que o livro fosse tudo que é. Também digo que foram os 3 reais bem mais gastos da minha vida haha. Obrigada flor *----*

      Excluir
  3. Estou com a página da Americanas aberta para comprar essa obra, mas fiquei em dúvida em relação a isso. Já ouvi bastante sobre ele e muitas pessoas o elogiaram, mas não sabia se comprava ou não. Dei uma pesquisada por resenhas e a sua me encantou! Com certeza irei comprar. Parece o tipo de livro que me agrada. *U* Adorei a resenha e seu blog e já estou seguindo. ♥ Obrigada por me tirar de um dilema. Hahah.

    Beijos,
    Império Imaginário | Goulart, F.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, tomara que você tenha comprado mesmo hahah. Vale a pena demais.
      E que bom que curtiu a resenha *__*'

      Beeijos

      Excluir
  4. Acabei de vê-lo e gostei muito. Me surpreendi com o livro. Vou resenhá-lo com certeza e super indico.

    ResponderExcluir
  5. Olá Jéssica! Eu amei esse livro, me supreendeu muito pela leveza ao se tratar de um assunto tão pesado como é o luto e a perda de alguém muito próximo.. Adorei sua resenha e também fiz uma no meu blog. Adorarei sua visita! Abraço.

    http://eventualobradeficcao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Instagram Jéssica

Comentários Recentes